A influência do Perfil Hormonal na Gestão do Peso

Engordamos por questões genéticas, comportamentais, emocionais e hormonais. O perfil hormonal tem uma grande influência na forma como gerimos o nosso peso, sendo que as alterações hormonais podem induzir a um aumento ou à perda do peso.

Porque engordamos?

É senso comum saber que engordamos sobretudo porque ingerimos mais calorias dos que as que o nosso organismo precisa. Contudo, existem também questões genéticas, comportamentais, emocionais e hormonais associadas. O perfil hormonal tem uma grande influência na forma como gerimos o nosso peso, sendo que as alterações hormonais induzem o aumento ou a perda do peso.

Todos os processos metabólicos do nosso corpo estão dependentes do sistema hormonal. As hormonas são mensageiros químicos, produzidos pelas glândulas, que chegam às células, através da corrente sanguínea, ligando-se a recetores específicos e dizendo às células o que fazer.

As hormonas controlam a pressão arterial, os batimentos cardíacos, o açúcar no sangue, a fertilidade, a função imunológica, o humor e as emoções, a qualidade de sono, o nível de hidratação, o nível de cálcio, a urina que excretamos e o peso corporal.

Algumas das alterações hormonais que potenciam o aumento do peso são:

  • o cansaço adrenal
  • a dominância estrogénica
  • o hipotiroidismo clínico e subclínico
  • e a pré-menopausa e menopausa. 

Como avaliamos as alterações do nosso Perfil Hormonal?

A avaliação destas alterações pode ser realizada na urina seca ou no sangue. Enquanto que na análise ao sangue é avaliada a concentração hormonal em determinado momento do dia, sendo importante para a determinação de algumas alterações, nomeadamente as da tiróide, a análise através da urina seca ( com 4 amostras) vai-nos permitir avaliar o padrão diurno das nossas hormonas e a sua metabolização, existindo uma melhor compreensão do nosso metabolismo hormonal. No nosso Instituto disponibilizamos um Kit para fazer a Avaliação do Perfil Hormonal (que pode ser enviado directamente para sua casa e recolhido lá por um profissional) através da urina seca.Neste exame terão que ser recolhidas 4 amostras ao longo do dia.

Cansaço Adrenal e a relação com o peso

O corpo possui duas glândulas adrenais, que se localizam na parte superior de cada rim.  As adrenais são glândulas endócrinas que segregam hormonas na corrente sanguínea. Quando essas glândulas são sobre estimuladas pode apresentar-se uma alteração do seu funcionamento, causando o denominado cansaço adrenal.  

Associado ao excesso ou diminuição abrupta do peso sem causa aparente, as pessoas que têm fadiga adrenal podem sentir frequentemente outros sintomas, nomeadamente:

  • Cansaço excessivo
  • Dores no corpo
  • Diminuição da pressão arterial
  • Vontade por alimentos muito doces ou salgados
  • Tonturas frequentes
  • Infecções recorrentes, como gripe ou constipações
  • Perda de massa muscular
  • Insónias
  • Acne, entre outros.

Existem algumas orientações que podemos adoptar, depois de uma Consulta de Diagnóstico, para intervir no cansaço adrenal, como:

  • Cumprir um Plano de Suplementação Vitaminica e Mineral personalizado – prescritos por um profissional de saúde e de acordo com os resultados dos testes laboratoriais realizados
  • Realizar actividade física personalizada ao caso e sobretudo tranquilizante
  • Cumprir um Plano Alimentar personalizado que não inclua alimentos processados e com muito açúcar e que contenha alimentos com Triptofano
  • Minimizar as fontes de stress físico, emocional ou psicológico
  • Dormir entre 7 a 9 horas por dia
  • Diminuir o consumo de álcool, especialmente no final do dia
  • Diminuir o consumo de cafeína
  • Beber chás calmantes como por exemplo o de camomila e maracujá.

Dominância Estrogénica e a relação com o excesso de peso

A Dominância Estrogénica é uma situação hormonal provocada pela alteração das hormonais sexuais femininas e masculinas (progesterona, estrogénios e testosterona) e que pode provocar diferentes sintomas na mulher e no homem.

Nas mulheres os principais sintomas são:

  • Tensão mamária
  • Aumento da gordura abdominal
  • Aumento do peso
  • Retenção de líquidos
  • Ansiedade/Irritabilidade/ tendência Depressiva
  • Dores de cabeça
  • Insónias
  • Fluxo abundante
  • Dores menstruais
  • Apetite por doces 
  • Celulite, entre outros

Nos homens os principais sintomas são:

  • Diminuição da libido
  • Aumento da gordura abdominal
  • Perda de massa muscular
  • Aumento do peso
  • Retenção de líquidos
  • Cansaço
  • Insónias
  • Apetite por doces, entre outros

Depois de uma Consulta de Diagnóstico, existem algumas estratégias que são possíveis de adoptar para permitir uma maior metabolização dos estrogénios e equilibrar os níveis de estrogénios e progesterona, tais como:

  • Cumprir um Plano de Suplementação Vitaminica e Mineral personalizado – prescritos por um profissional de saúde e de acordo com os resultados dos testes laboratoriais realizados
  • Realizar actividade física personalizada
  • Cumprir um Plano Alimentar personalizado que não inclua alimentos processados, com muito açúcar e que inclua especialmente alimentos ricos em proteína saudável, alimentos biológicos sempre que possível e a ingestão de crucíferos
  • Evitar alimentos aquecidos em plásticos no micro-ondas e evitar armazenar e beber através de garrafas de plástico porque contêm Xenoestrogénios
  • Diminuir o consumo de álcool, especialmente no final do dia
  • Diminuir o consumo de cafeína
  • Usar cosméticos com ingredientes biológicos

Hipotiroidismo (Clínico e Subclínico) e a relação com o peso

A tiróide é uma glândula muito importante sendo em grande parte responsável pelo nosso metabolismo e suporte ao funcionamento de outras glândulas e órgãos. Uma alteração do funcionamento da tiróide, traduzida pelo aumento ou diminuição das hormonas que lhe estão associadas (TSH, T3 e T4) pode conduzir a vários sintomas que podem ser mais ou menos severos dependendo de cada caso.

Entre outros sintomas, os abaixo discriminados são os mais frequentes em pessoas com hipotiroidismo clínico ou subclínico:

  • Fadiga, sobretudo ao acordar
  • Aumento do peso
  • Temperatural corporal baixa
  • Obstipação
  • Inchaço na cara e olhos ao acordar
  • Retenção de líquidos
  • Alterações de humor
  • Dores de cabeça
  • Colesterol elevado
  • Queda de cabelo, entre outros

Existem algumas estratégias que podem e devem ser adoptadas através de medicação ou de suplementação e que vão potenciar a regulação desta glândula, nomeadamente:

  • Cumprir um Plano de Suplementação Vitaminica e Mineral personalizado – prescrito por um profissional de saúde e de acordo com os resultados dos testes laboratoriais realizados;
  • Cumprir um Plano Alimentar personalizado que não inclua alimentos processados e com muito açúcar e que inclua alimentos ricos em proteína saudável, iodo, algas marinhas, sal iodado, selénio, castanha do Brasil, citrinos e outros alimentos ricos em Vitamina C

Pré Menopausa e Menopausa e a relação com o excesso de peso

A Menopausa pode ser confirmada após 12 meses consecutivos sem qualquer período menstrual. Habitualmente a Menopausa surge entre os 45 e os 55 anos de idade, apesar da Pré-Menopausa começar 1 a 5 anos antes.

Ambas as fases caracterizam-se por alterações ao nível da progesterona, estrogénios e testosterona, conduzindo a vários sintomas nomeadamente o aumento do peso e a deposição de gordura na região abdominal. Estas alterações são acompanhadas ao longo do tempo por uma série de sintomas desconfortáveis como:⁠

  • Cansaço 
  • Aumento do peso
  • Afrontamentos 
  • Retenção de líquidos
  • Ansiedade/irritabilidade
  • Baixa tonicidade muscular
  • Perda de osso 
  • Secura vaginal 
  • Queda de cabelo, entre outros

Não posso / não quero recorrer a Terapia Hormonal nesta fase. E agora?

É possível promover um equilíbrio na menopausa e na pré-menopausa atenuando estes sintomas quer utilizando suplementação hormonal, quer não hormonal. Contudo, estas recomendações devem ser feitas após a realização de testes laboratoriais e com o suporte de um profissional de saúde especializado.